Muito prazer, sou

Minha foto
Santos e Brasília, SP/DF
Farmacêutico, servidor público e professor. Além disso, tentando estar antenado com os assuntos do cotidiano....

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

José do Patrocínio, farmacêutico e abolicionista - 108 anos de sua morte


Creio que poucos sabiam, mas o escritor e abolicionista era farmacêutico. Neste dia 29 de janeiro de 2013 faz 108 anos que este ativista político faleceu. Essa é uma pequena homenagem deste humilde Blog.
"José Carlos do Patrocínio (Campos dos Goytacazes, 9 de outubro de 1853 — Rio de Janeiro, 29 de janeiro de 1905) foi um farmacêutico, jornalista, escritor, orador e ativista político brasileiro. Mulato, constitui-se em uma das mais destacadas figuras do movimento abolicionista e republicano no Rio de Janeiro. Filho de João Carlos Monteiro, vigário da paróquia de Campos dos Goytacazes e orador sacro de reputação na Capela Imperial, com Justina do Espírito Santo, uma jovem escrava Mina de quinze anos, cedida ao serviço do cônego por D. Emerenciana Ribeiro do Espírito Santo, proprietária da região. Embora sem reconhecer a paternidade, o religioso encaminhou o menino para a sua fazenda na Lagoa de Cima, onde José do Patrocínio passou a infância como liberto, porém convivendo com os escravos e com os rígidos castigos que lhes eram impostos.
Aos catorze anos de idade, tendo completado a sua educação primária, pediu, e obteve ao pai, autorização para vir para o Rio de Janeiro. Encontrou trabalho como servente de pedreiro na Santa Casa de Misericórdia (1868), empregando-se posteriormente na Casa de Saúde do Dr. Batista Santos. Aqui, atraído pelo combate à doença, retomou, às próprias expensas, os estudos no Externato de João Pedro de Aquino, prestando os exames preparatórios para o curso de Farmácia.
Aprovado, ingressou na Faculdade de Medicina como aluno de Farmácia, concluindo o curso em 1874. Neste momento, desfazendo-se a "república" de estudantes com que convivia, Patrocínio viu-se na iminência de precisar alugar moradia, sem dispor de recursos para tal. Um amigo, antigo colega do externato de Aquino, João Rodrigues Pacheco Vilanova, convidou-o a morar no tradicional bairro de São Cristóvão, na casa da mãe, então casada em segundas núpcias com o capitão Emiliano Rosa Sena, abastado proprietário de terras e imóveis. Para que Patrocínio pudesse aceitar sem constrangimento a hospedagem que lhe era oferecida, o capitão Sena propôs-lhe que, como pagamento, lecionaria aos seus filhos. Patrocínio aceitou a proposta e, desde então, passou também a freqüentar o "Clube Republicano" que funcionava na residência, do qual faziam parte Quintino Bocaiúva, Lopes Trovão, Pardal Mallet e outros. Não tardou que Patrocínio se apaixonasse por Maria Henriqueta, uma das filhas do militar, sendo também por ela correspondido. Quando informado do romance de ambos, o capitão Sena sentiu-se ofendido a princípio, porém vindo, após o matrimônio (1879), a auxiliar Patrocínio em diversas ocasiões.
Nessa época, Patrocínio iniciou a carreira de jornalista em parceria com Dermeval da Fonseca, publicando o quinzenário satírico Os Ferrões, que circulou de 1 de junho a 15 de outubro de 1875, no total de dez números. Os dois colaboradores se assinavam com os pseudônimos Notus Ferrão (Patrocínio) e Eurus Ferrão (Fonseca).
Dois anos depois (1877), admitido na Gazeta de Notícias como redator, foi encarregado da coluna Semana Parlamentar, que assinava com o pseudônimo de Prudhome. Foi neste espaço que, em 1879, iniciou a campanha pela Abolição da escravatura no Brasil. Em torno de si formou-se um grupo de jornalistas e de oradores, entre os quais Ferreira de Meneses (proprietário da Gazeta da Tarde), Joaquim Nabuco, Lopes Trovão, Ubaldino do Amaral, Teodoro Fernandes Sampaio, Paula Nei, todos da Associação Central Emancipadora. Por sua vez, Patrocínio começou a tomar parte nos trabalhos da associação.
Fundou, em 1880, juntamente com Joaquim Nabuco, a Sociedade Brasileira Contra a Escravidão. Com o falecimento de Ferreira de Meneses (1881), com recursos obtidos junto ao sogro, adquiriu a Gazeta da Tarde, assumindo-lhe a direção. Em Maio de 1883 articula a Confederação Abolicionista, congregando todos os clubes abolicionistas do país, cujo manifesto redige e assina, juntamente com André Rebouças e Aristides Lobo. Nesta fase, Patrocínio não se limita a escrever: também prepara e auxilia a fuga de escravos e coordena campanhas de angariação de fundos para adquirir alforrias, com a promoção de espetáculo ao vivo, comícios em teatros, manifestações em praça pública etc.
Em 1882, a convite de Paula Nei, Patrocínio visitou a província do Ceará, onde foi recebido em triunfo. Essa província seria pioneira no Brasil ao decretar a abolição já em 1884.
Em 1885, visitou sua cidade natal, Campos dos Goytacazes, sendo também recebido em triunfo. De volta ao Rio de Janeiro, trouxe a velha mãe doente, que virá a falecer no final desse mesmo ano. O sepultamento transformou-se em um ato político em favor da Abolição, tendo comparecido personalidades como as do Ministro Rodolfo Dantas, o jurista Rui Barbosa e os futuros presidentes Campos Sales e Prudente de Morais.
No ano seguinte (1886), iniciou-se na política, sendo eleito vereador da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, com votação maciça.
Em Setembro de 1887, tendo abandonado a Gazeta da Tarde para fundar e dirigir um novo periódico: o A Cidade do Rio. À frente deste periódico intensifica a sua atuação política. Aqui fizeram escola alguns dos melhores nomes do jornalismo brasileiro da época, reunidos e incentivados pelo próprio Patrocínio. Foi nele que Patrocínio saudou, após uma década de intensa militância, a 13 de Maio de 1888, o advento da Abolição.
Obtida a vitória na campanha abolicionista, as atenções da opinião pública se voltaram para a campanha republicana. Por ironia do destino, o "A Cidade do Rio" e a própria figura de Patrocínio passam a ser identificados pela opinião pública como defensores da monarquia em crise. Nesta fase, Patrocínio rotulado como um "isabelista", foi apontado como um dos mentores da chamada "Guarda Negra", um grupo de ex-escravos que agia com violência contra os comícios republicanos.
Após a proclamação da República (1889), entrou em conflito em 1892 com o governo do Marechal Floriano Peixoto, pelo que foi detido e deportado para Cucuí, no alto rio Negro (Amazonas).
Retornou discretamente ao Rio de Janeiro em 1893, mas com o Estado de Sítio ainda em vigor, a publicação do "A Cidade do Rio" continuou suspensa. Sem sua fonte de renda, Patrocínio foi residir no subúrbio de Inhaúma.
Nos anos seguintes, a sua participação política foi inexpressiva, concentrando-se a sua atenção no moderno invento da aviação. Iniciou a construção de um dirigível de quarenta e cinco metros, o "Santa Cruz", com o sonho de voar, jamais concluído. Numa homenagem a Santos Dumont, realizada no Teatro Lírico, quando discursava saudando o inventor, foi acometido de uma hemoptise, sintoma da tuberculose que o vitimou. Faleceu pouco depois, aos cinqüenta e um anos de idade, aquele que é considerado por seus biógrafos o maior de todos os jornalistas da Abolição.
Cronologia

  • 1853: Em 9 de outubro José Carlos do Patrocínio nasceu em Campos (na então província do Rio de Janeiro), filho natural do padre João Carlos Monteiro e de Justina, escrava africana, vendedora de frutas.

  •  1868: Patrocínio começou a trabalhar na Santa Casa de Misericórdia, no Rio de Janeiro.
  • 1871: Por iniciativa do visconde do Rio Branco foi promulgada a Lei do Ventre Livre, reconhecendo como livres as crianças nascidas de mães escravas.
  • 1874: Na Faculdade de Medicina, Patrocínio concluiu o curso de Farmácia.
  • 1875: Com Demerval Ferreira publicou o primeiro número do quinzenário satírico Os Ferrões.
  • 1877: Entrou na Gazeta de Notícias, respondendo pela coluna A Semana Parlamentar.
  • 1879: Casou-se com Maria Henriqueta Sena, a “Bibi”. Iniciou a campanha pela Abolição da escravatura.
  • 1881: Ingressou na Gazeta da Tarde, vindo a se tornar proprietário do periódico.
  • 1882: A convite de Paula Nei viajou ao Ceará em campanha pró-Abolição; como fruto, dois anos mais tarde o Ceará foi a primeira Província brasileira a dar a emancipação aos escravos.
  • 1883: Patrocínio redigiu o Manifesto da Confederação Abolicionista.
  •  1884: Publicou o romance Pedro Espanhol.
  •  1885: Promulgada a Lei dos Sexagenários, que concedeu a liberdade aos escravos com idade igual ou superior a 65 anos. José do Patrocínio visitou Campos, onde foi saudado como um triunfador. No Rio de Janeiro o funeral de “tia” Justina, mãe de José do Patrocínio, transformou-se num grandioso comício de repúdio à escravidão.
  •  1886: Foi eleito vereador da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.
  •  1887: Deixou a Gazeta da Tarde, fundou e passou a dirigir o A Cidade do Rio. Publicou o romance Mota Coqueiro ou A pena de morte.
  • 1888: A 13 de Maio a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea, extinguindo a escravidão no Brasil; José do Patrocínio beijou as mãos da Princesa.
  •  1889: Patrocínio publicou o romance Os Retirantes, inspirado na inclemência da seca sobre os habitantes do nordeste do Brasil. Foi acusado de fomentar a violenta ação da Guarda Negra em defesa do isabelismo. A 15 de Novembro a República foi proclamada no Brasil.
  • 1892: José do Patrocínio importou da França o primeiro automóvel que circulou no Brasil. Movido a vapor, o seu barulho espantava os transeuntes. Por ter publicado, no seu jornal, um manifesto de um dos chefes da Revolta da Armada, o marechal Floriano Peixoto, desterrou Patrocínio para Cucuí, no alto rio Negro (Amazonas).
  • 1893: Proibida a publicação do periódico A Cidade do Rio, Patrocínio estava reduzido à miséria.
  •  1905: Numa homenagem a Santos Dumont, ao discursar, José do Patrocínio sofreu uma hemoptise; faleceu a 30 de Janeiro."

 
 

domingo, 27 de janeiro de 2013

Um sentimento sobre a tragédia de Santa Maria...

Presidenta Dilma Rousseff durante visita às famílias das vítimas da tragédia ocorrida em Santa Maria. Foto: Roberto Stuckert Filho/PRA Presidenta Dilma esteve neste domingo (27/01) visitando os parentes das vítimas da tragédia de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Disse a Presidenta em sua coletiva:
 
"É uma tragédia para nós todos. E eu não vou continuar na reunião por razões também muito claras,diante do que… quem precisa de mim hoje é o povo brasileiro e é lá que eu tenho de estar. E eu pedi a todos os meus ministros, que possam contribuir para minorar as consequências dessa tragédia, para estarem lá em Santa Maria, e eu vou estar também (…) Eu queria dizer também para a população do nosso país e para a população de Santa Maria o quanto, nesse momento de tristeza, nós estamos juntos. E, necessariamente, iremos superar, mantendo a tristeza”.
 
Minha querida amiga Fabiana Mesquita publicou, nas redes sociais, o texto abaixo. Ele fala por si....
 
"Fiquei com muito orgulho da nossa presidenta. Chorar junto na hora triste foi muito mais de mãe e de mulher, do que qualquer outra coisa, e saber que ela não perdeu esse instinto, esse principio, me levou a amá-la como a uma irmã. Estamos todos no mesmo barco. Nada é mais revolucionário e transformador do que a solidariedade infinita pela dor alheia. Quando nosso amor por um desconhecido nos inunda de forma a querer salva-lo, socorrê-lo e ampará-lo, então eu vejo que chegamos naquele ponto glorioso da existência, em que finalmente deixamos de ser indivíduos para nos tornarmos UM individuo coletivo. Uma única raça, uma mesma espécie humana.
Tive serias decepções com a Dilma em muitas frentes de seu governo. Às vezes me questionava onde teria ido parar a Dilma guerrilheira, mas hoje ao ver a grandeza dela ao entrar naquele ginásio repleto de corpos e ao emprestar solidariedade incondicional aos familiares das vitimas pessoalmente, então eu me re-apaixonei por essa mulher, que ignorou reuniões e encontros com lideranças do mundo afora, simplesmente para chorar seus mortos junto com o seu povo. Isso foi de uma grandeza poderosa!
Choremos nossos mortos Brasil e que seja também simbólico pelo choro por tantos outros jovens que tombaram por ai, vitimas da estupidez humana. Que essa tragédia sirva ao menos para resgatar o nosso senso de união, aguçar nosso senso de justiça e multiplicar de norte a sul um verdadeiro cântico de compaixão.
Senti vontade de voltar, de estar ai e abraçar cada mãe!
Fiquei com vontade de lutar ainda um pouco mais por um mundo onde ha força da grana não possa "erguer e destruir coisas belas".
Uma tragédia evitável. Uma desgraça horrorosa, mas que ainda seja possível extrair alguma luminosidade de tudo isso. Algum sentimento grandioso que alquimicamente transforme dor em luz.
Estou aqui a pensar que foi preciso uma tragédia desse porte para unir esse povo por algo que não fosse futebol, big brother ou novela.
Não aliviando em nada para os responsáveis por essa tragédia, que devem ser punidos rigorosamente, quero crer que ainda temos algo a aprender com tanta dor.
Hoje nos levantamos como uma nação!
Enlutados sim, mas com a dignidade de quem não foge a luta.
Recuperamos o senso de pátria? De irmandade com nossos conterrâneos?
Então que essa dor esfregue o porão das nossas almas e limpe todo descaso e egoísmo.
Hoje somos todos pais, mães e amigos daqueles jovens. E esse amor brotado da dor nos tornou a todos irmãos.
Que isso, ao menos isso, faça a morte desses jovens menos vã..."
 
Com este texto, quero desejar força para os parentes das vítimas desta tragédia, tanto dos que faleceram quanto  dos que oram pelos que se encontram hospitalizados. Que Deus dê muita força para todos e que acalme vossas almas.
 
Fontes (texto da Presidenta e imagem): http://blog.planalto.gov.br/
 

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

QUALISUS- Inscrições reabertas para apoiador técnico em Assistência Farmacêutica


 
 
Fiotec contrata, pelo projeto QualiSUS-Rede, apoiador técnico regional em assistência farmacêutica. Os currículos devem ser cadastrados até o próximo dia 6/2.
Quantidade de vagas:
3 (vagas), sendo uma em cada região: Região Alto Solimões - AM, Belém - PA e Região Entre Rios - PI
Formação:
Farmácia, com pós-graduação, no mínimo especialização (Lato Sensu), em Assistência Farmacêutica e/ou na área da Saúde Coletiva/Pública.
Perfil:
Experiência de no mínimo 03 (três) anos nas ações de Assistência Farmacêutica.
Tipo de Contratação:
Bolsa

Prazo do Contrato:
18 meses

Remuneração:
R$ 6,1 mil
Acesse os Termos de Referência por região:
 
- Região Alto Solimões - AM
- Belém - PA
- Região Entre Rios - PI

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Ministério da Saúde anuncia: Brasil vai produzir insulina

Notícia extraída de UOL NOTÍCIA SAÚDE - http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2013/01/23/brasil-vai-produzir-insulina-anuncia-ministerio-da-saude.htm

Pesquisa mostra que administração de insulina poderá, no futuro, ser feita em forma de pílulas. Crédito: Monash University."O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira (23), que o país vai iniciar as atividades de produção de cristais de insulina, utilizado no tratamento de diabetes, por meio do Laboratório Biomanguinhos da Fundação Oswaldo Cruz.
 
O acordo também prevê a ampliação da oferta de insulina aos pacientes assistidos pelo SUS. Segundo o ministério, foram adquiridos mais 3,5 milhões de frascos do medicamento, quantidade que será entregue ao país no próximo mês de abril e poderá chegar a 10 milhões de frascos até dezembro, se necessário.
 
As medidas são fruto de uma parceria entre o Ministério da Saúde e o laboratório ucraniano Indar – um dos três produtores de insulina no mundo, com quem o ministério tem acordo de transferência de tecnologia para a produção nacional do medicamento. A previsão é que em três anos, o Brasil produza insulina em escala industrial.
 
"Queremos reduzir a vulnerabilidade do país no mercado internacional de medicamentos, incentivar a produção nacional de ciência e tecnologia e fortalecer a indústria farmacêutica brasileira", afirmou o ministro Alexandre Padilha.
 
Estudos mostram que 7,6 milhões de brasileiros têm diabetes. Destes, cerca de 900 mil dependem exclusivamente do Sistema Único de Saúde para a obtenção de insulina.
 
O ministério também anunciou que vai estabelecer uma Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP) com o laboratório privado Biomm. A empresa brasileira detém tecnologia totalmente nacional e inovadora para a produção de insulina, que foi patenteada em conjunto com a Universidade de Brasília e é reconhecida por países com os EUA e o Canadá, além da Comunidade Europeia.
 
"Esta parceria permitirá ao Brasil obter todo o ciclo de produção de insulina, possibilitando que o país conquiste autonomia tecnológica para a consequente eliminação de dificuldades de abastecimento do medicamento e de vulnerabilidade em relação a flutuações de preços no mercado mundial", afirma o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Carlos Gadelha.
 
Atualmente, estão em vigor 55 PDPs para a produção de 47 medicamentos, cinco vacinas, um contraceptivo, um teste rápido e uma pesquisa. A partir destas parcerias – que envolvem 15 laboratórios públicos e 35 privados – a expectativa é que o Ministério da Saúde obtenha uma economia de aproximadamente R$ 940 milhões por ano".
 
 
 

domingo, 20 de janeiro de 2013

Min. Alexandre Padilha parabeniza farmacêuticos pelo dia 20 de janeiro.

Ministro Alexandre Padilha parabeniza os farmacêuticos e farmacêuticas do Brasil pelo seu dia, destacando ações desenvolvidas pelo Ministério da Saúde, com destaque para o "Saúde não tem preço" e QUALIFAR-SUS. Obrigado Ministro! Que a assistência farmacêutica continue como prioridade no âmbito do Ministério.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

ANVISA chama Força de Trabalho para estimular o Uso Racional de Medicamentos


"A Anvisa publicou, nesta terça-feira (15/1), Edital de Chamamento para instituições, públicas e privadas, interessadas em integrar uma Força de Trabalho que definirá medidas para estimular o uso racional dos medicamentos. O foco do grupo será a exigência da receita no ato da compra em farmácias e drogarias.

No Brasil, a venda de medicamentos sujeitos à prescrição médica sem apresentação da receita é um problema grave de saúde pública. A cultura da automedicação e a falta de controle sobre a dispensação desses produtos em farmácias e drogarias são fatores que comprometem toda a cadeia de vigilância sobre a produção e utilização de medicamentos no país.

A Força de Trabalho que será constituída pela Anvisa tem por objetivo enfrentar esse desafio e propor soluções. A medida é um desdobramento da Audiência Pública realizada em setembro de 2012, cujas discussões apontaram para a necessidade de reunir diversos setores da sociedade para formular propostas de ações concretas.

Poderão participar do grupo instituições, públicas e privadas, de caráter ou base de representação nacional, que tenham interesse em contribuir com a discussão e que se relacionem com os seguintes segmentos da cadeia do medicamento: pesquisa, produção, distribuição, venda, dispensação, prescrição, vigilância sanitária, defesa do consumidor e controle social do SUS. Orgãos públicos responsáveis por políticas públicas que têm interface com a saúde também poderão integrar o grupo.

Para participar da Força de Trabalho, os interessados devem preencher e enviar o formulário até às 23h59 do dia 15 de fevereiro de 2013".
Saiba mais em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/anvisa+portal/anvisa/sala+de+imprensa/menu+-+noticias+anos/2013+noticias/instituicoes+sao+convidadas+a+integrar+forca+de+trabalho

 

EDITAL DE CHAMAMENTO No- 1, DE 11 DE JANEIRO DE 2013

O Diretor-Presidente Substituto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe conferem o Decreto de nomeação de 31 de março de 2011, da Presidenta da República, publicado no DOU de 1o- de abril de 2011, a Portaria MS/GM no- 537, de 29 de março de 2012; e o inciso X do art. 13 do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto n. 3.029, de 16 de abril de 1999, tendo em vista o disposto no inciso VIII do art. 16 do Regimento Interno da ANVISA, aprovado nos termos do Anexo I da Portaria n. 354, de 11 de agosto de 2006, republicada no DOU de 21 de agosto de 2006, resolve tornar público o presente Edital de Chamamento para a manifestação do interesse de órgãos, instituições e entidades, públicas e privadas, em integrar uma Força de Trabalho que definirá medidas para estimular o uso racional dos medicamentos, com foco na exigência de prescrição no ato da dispensação, nos termos do Anexo.

JAIME CESAR DE MOURA OLIVEIRA

ANEXO

1. Contextualização

A falta de controle da dispensação de medicamentos sujeitos a prescrição de profissional habilitado em farmácias e drogarias do país deve ser considerada um problema de saúde pública que pode comprometer toda a cadeia de vigilância sobre a produção/utilização do medicamento. O atendimento aos princípios regulatórios baseados no risco sanitário tem sido muito eficiente na pesquisa clínica, registro, inspeção, produção e distribuição por atacado. Essas etapas contam com normas e padrões rigorosos, cujo controle e vigilância têm ocorrido de forma apropriada pelo Sistema Nacional de Vigilância Sanitária. A dispensação, que é o elo da cadeia que envolve a entrega do medicamento para uso e deve ser entendida como o fechamento desse ciclo, ainda carece de uma abordagem sanitária mais apropriada.

No dia 27 de setembro de 2012, a ANVISA realizou Audiência Pública na qual foram colhidos elementos que demonstram a complexidade do problema, as diferentes realidades e as dificuldades para a obtenção de racionalidade no acesso aos medicamentos no Brasil. Entre as estratégias sugeridas, aquelas que visam prover a sociedade de maior conscientização sobre a importância do uso orientado dos medicamentos figuram como um dos principais instrumentos de ação.

Como forma de enfrentar esse desafio, a audiência pública concluiu pela constituição de uma Força de Trabalho, com a participação de diferentes setores da sociedade que estejam interessados em contribuir com propostas de ações concretas para a minimização do risco do acesso a medicamentos sem a devida prescrição.

2. Objetivos da Força de Trabalho

A Força de Trabalho tem como principais objetivos: 1) Traçar um perfil da dispensação de medicamentos sujeitos à prescrição no Brasil; 2) Propor medidas a serem adotadas pelo conjunto dos participantes da Força de Trabalho, pela ANVISA e pelo Sistema Nacional de Vigilância Sanitária e 3) Atuar na implementação das ações acordadas no seu âmbito e aprovadas pela Diretoria Colegiada da ANVISA.

3. Funcionamento da Força de Trabalho

A Força de Trabalho será coordenada e secretariada pela ANVISA. As regras de funcionamento, tais como, formato das reuniões, periodicidade, criação de Grupos e Subgrupos de Trabalho, serão definidas na sua primeira reunião, a partir de proposta elaborada pela ANVISA.

4. Prazo para Entrega dos Resultados

A Força de Trabalho terá o prazo de 6 (seis) meses para cumprimento dos seus objetivos 1 e 2. Ela poderá ser mantida pelo tempo que se fizer necessário para execução do objetivo 3.

5. Público Alvo

Poderão participar da Força de Trabalho: órgãos, instituições e entidades, públicas e privadas, de caráter ou base de representação nacional que tenham interesse em contribuir com os objetivos indicados no presente Edital e que se relacionem com os seguintes segmentos da cadeia do medicamento: pesquisa, produção, distribuição, venda, dispensação, prescrição, vigilância sanitária, defesa do consumidor e controle social do SUS. Também poderão participar órgãos públicos responsáveis por políticas públicas que têm interface com a saúde.

6. Composição da Força de Trabalho

A Força de Trabalho será composta por até 3 (três) membros de cada um dos segmentos da cadeia do medicamento, indicados como públicos alvo e que manifestarem interesse na participação, em observância aos temos do presente Edital.

Havendo manifestação de interesse em número maior do que o indicado acima, caberá a Diretoria Colegiada da ANVISA indicar, de acordo com critérios de antiguidade e base de representação em cada segmento, aquelas que permanecerão como membros da Força de Trabalho.

7. Prazo e forma para manifestação de interesse em participar da Força de Trabalho

Para manifestar interesse na participação da Força de Trabalho os interessados deverão preencher o formulário disponível no endereço http://formsus.datasus.gov.br/site/formulario.php?id_aplicacao= 10146, até 23h e 59min do dia 15 de fevereiro de 2013. A ANVISA não arcará com as despesas referentes à participação dos representantes de natureza privada nas atividades da Força de Trabalho.

8. Divulgação dos participantes e convocação da primeira reunião

A divulgação dos membros participantes será feita mediante publicação de Portaria da Presidência da ANVISA, a qual fará a convocação da primeira reunião da Força de Trabalho.
 
Informações disponíveis no site da ANVISA: www.anvisa.gov.br

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Acolhimento aos secretários e secretárias municipais de saúde

O Ministério da Saúde receberá entre os dias 31 de janeiro e 1º de fevereiro as secretárias e os secretários municipais de saúde. Durante o evento, serão apresentadas as principais políticas e linhas de financiamento do ministério para os municípios brasileiros. Participe e conheça como funcionam os repasses, contratos e convênios entre o MS e o seu município e saiba como estabelecer novas parcerias com o ministério. Maiores informações acesse: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/index.cfm?portal=pagina.visualizarArea&codArea=406
Veja o convite abaixo:
 
O Ministro de Estado da Saúde Alexandre Padilha, o Presidente do CONASEMS Antonio Carlos Figueiredo Nardi e o Presidente do CONASS Wilson Alecrim convidam V.Sª para
Acolhimento aos secretários e secretárias municipais de saúde do Brasil
31 de janeiro e 1º de fevereiro de 2013
Brasília, Centro de convenções Ulysses Guimarães.
OBJETIVO
O Objetivo do evento é apresentar as principais políticas e linhas de financiamento do Ministério da Saúde para os municípios brasileiros.
INSCRIÇÕES
Poderão ser realizada através do endereço www.saude.gov.br/secretarios2013, a partir de 14/01/2013.
As inscrições precisam ser confirmadas até o dia 25/01/2013. Após esta data, será possível apenas realizar inscrição no local do evento e não haverá garantia de hospedagem.
PROGRAMAÇÃO
31/01/2013
20:00 Abertura. Conferência com Ministro da Saúde Alexandre Padilha: Os avanços e desafios do SUS no Brasil.
22:00 Coquetel
01/02/2013
8:30 Apresentação e debate: “Melhoria da qualidade e acesso na atenção básica”
10:30 Apresentação e debate: “Regionalização e contrato organizativo de ação pública”.
12:30 Almoço
14:30 Apresentação e debate: “Redes de atenção à Saúde no Brasil”.
APOIO AOS SECRETÁRIOS/AS
O Ministério da Saúde oferecerá hospedagem, alimentação e translado (aeroporto/hotel) aos secretários/as de saúde ou representantes.
CONTATO COM MINISTÉRIO DA SAÚDE
 
 

domingo, 13 de janeiro de 2013

Capacitação em assistência farmacêutica com o uso da simulação realística.

O Departamento de Gestão da Educação (DEGES/SGTES/MS) e o Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos (DAF/SCTIE/MS), por meio deste CONVITE, apresentam as Normas Gerais para o processo de inscrição de candidatos à CAPACITAÇÃO EM ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA PARA PROFISSIONAIS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - COM O USO DA SIMULAÇÃO REALÍSTICA, ofertado na modalidade presencial, em parceria com Centro de Simulação Realística do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa do Hospital Albert Einstein, Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar - SBRAFH e Associação Brasileira de Ensino Farmacêutico – ABENFAR, realizado no âmbito do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (PROADI-SUS), conforme o link: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1000
1. Objetivos
Os objetivos da capacitação são fornecer subsídios para o gerenciamento do sistema e dos processos de administração de fármacos aos pacientes, bem como para a análise dos processos de qualidade e segurança na administração de fármacos aos pacientes, em ambiente hospitalar. A capacitação empregará a “Simulação Realística”, uma metodologia de treinamento inovadora, que, por meio de cenários de vivências práticas, replica experiências da vida real e favorece um ambiente participativo e de interatividade.
2. Carga Horária
A carga horária será de 16 horas, integralizadas em dois dias consecutivos de atividades.
3. Público Alvo
Farmacêuticos de hospitais públicos e filantrópicos das áreas de oncologia, urgências e emergências e saúde mental, e farmacêuticos-docentes da disciplina de Assistência Farmacêutica, ou congênere, de instituições públicas de ensino superior.
4. Distribuição das vagas
Serão ofertadas 320 (trezentas e vinte) vagas, em 8 (oito) edições, com 40 (quarenta) farmacêuticos em cada.
5. Inscrição
5.1 Período:
O período de inscrição será de 01 a 31 de janeiro de 2013.
5.2 Procedimentos:
Cada candidato deverá efetivar a sua inscrição via internet, no período informado no item 5.1, por meio do preenchimento da Ficha de Inscrição (online) Clique aqui, e deverá anexar cópia escaneada dos documentos citados no item 5.3.
5.3 Documentação exigida:
a) Carteira de identidade e CPF;
b) Diploma de graduação (frente e verso);
c) Declaração de ciência, concordância e liberação para a participação do(a) candidato(a) na capacitação, assinada pelo dirigente da Instituição/Unidade Acadêmica/ Órgão, modelo clique aqui;
d) Currículo resumido em, no máximo, duas páginas.
Nota: Sob hipótese alguma serão aceitos documentos enviados com data posterior à fixada neste item.
6. Seleção
Os critérios de seleção serão:
a) Comprovação dos documentos solicitados no item 5.3;
b) Ordem de inscrição;
c) Análise do currículo resumido (tempo de experiência profissional na área).
7. Resultados da seleção
O DAF/SCTIE/MS responsabilizar-se-á pela seleção e comunicação aos candidatos sobre o status da inscrição (atendida ou não), via e-mail.
8. Local de realização e Cronograma
A capacitação ocorrerá no Centro de Simulação Realística do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa do Hospital Albert Einstein, na cidade de São Paulo. As datas das edições do curso serão divulgadas oportunamente. Caso o profissional seja selecionado para datas em que a sua participação não seja possível, este será remanejado para outra edição.
9. Disposições Gerais
9.1 É de inteira responsabilidade do(a) candidato(a) manter os seus dados cadastrais atualizados.
9.2 Os casos omissos e as situações não previstas serão resolvidos pela Comissão Técnica, composta por representantes do DEGES/SGTES/MS e do DAF/SCTIE/MS.
9.3 Para os participantes provenientes da cidade de São Paulo não haverá a cobertura das despesas de transporte e hospedagem.
9.4 Para os participantes provenientes de outras localidades, haverá a cobertura do transporte aéreo, hospedagem, alimentação no curso e traslados do hotel até o local do evento e do local do evento ao aeroporto.
9.5 Será emitido o certificado de participação com 75% de presença da carga horária do curso.
9.6 Após o recebimento da confirmação da passagem aérea e da hospedagem, caso sejam feitas alterações, as diferenças de valores serão de responsabilidade dos candidatos.
9.7 Após o recebimento da confirmação da passagem aérea e da hospedagem, caso o profissional cancele a sua participação, deverá encaminhar justificava para o e-mail proadi_deges@saude.gov.br. Este poderá ser remanejado para outra edição do curso, mas, neste caso, os custos de transporte aéreo, hospedagem, alimentação no curso e traslados serão de responsabilidade do candidato ou da entidade que pertence.
10. Informações
Informações adicionais sobre o curso clique aqui e por meio do correio eletrônico: proadi_daf@saude.gov.br .
Parceria: ABENFAR e SBRAFH

domingo, 6 de janeiro de 2013

Ministra da Saúde do Peru pensa em implantar o Programa Farmácia Popular

A Ministra da Saúde do Peru está avaliando a possibilidade de levar ao seu País a experiência exitosa do Programa Farmácia Popular do Brasil. Veja a entrevista na íntegra dada pela Ministra Midori de Habich.




"La ministra de Salud, Midori de Habich, reconoció que "ha llegado el momento de hacer cambios estructurales en el sistema de salud", en consonancia con el anuncio hecho por el presidente de la República, Ollanta Humala, respecto a que este 2013 se ejecutará la tan esperada reforma de dicho sector.

"La convicción que tenemos en el Ministerio de Salud es que ha llegado el momento de hacer cambios estructurales en el sistema de salud, no solo mejoras de procesos", sostuvo en entrevista con RPP Noticias.

Explicó que dichas reformas estructurales a mediano plazo tienen que estar acompañadas por acciones a corto plazo, de cara a la atención que el ciudadano recibe en el día a día.

Detalló que las políticas y lineamientos que seguirá su sector estarán guiadas en cuatro ejes, el primero, consistente en avanzar en la ampliación en el aseguramiento al Seguro Integral de Salud (SIS) a los trabajadores independientes que tributan al Régimen Único Simplificado.

"Estamos hablando de unos 850 mil personas que se incorporarían rápidamente a un esquema de aseguramiento en una política que busca premiar la formalización", aseveró.

El segundo eje es mejorar en la oferta de servicios y la calidad de los mismos, es decir, eliminar las trabas burocráticas para que un asegurado del SIS pueda atenderse en EsSalud.
 
AMPLIAR OFERTA DE SERVICIO
 
También destacó el mejor uso de los recursos para la contratación de personal asistencial tanto del Minsa y EsSalud, ampliar turnos, usar mejor la infraestructura existente, particularmente en las regiones, donde está subutilizada; además de la eventual contratación de los servicios de terceros/privados.

Añadió que un último eje está referido a ampliar la oferta de servicios para cerrar la brecha en equipamiento y recursos humanos. Al respecto, subrayó los acuerdos llegados con gobiernos regionales para definir 750 establecimientos que serán la prioridad de inversión en los próximos años.

"El énfasis que queremos dar es hacia la atención primaria, importante porque estamos más cerca del ciudadano, podemos dar una atención más integral, con promoción, prevención, no solamente curación, y podemos también contener la demanda de los hospitales", manifestó.
 
EVITAR COLAS
 
Explicó que el planeamiento de la oferta hospitalaria será más ordenado, de forma tal, que se evitarán las largas colas, una medida que será a corto plazo.

"En este año queremos introducir como una prioridad la reducción de los tiempos de espera, mediante la posibilidad de programar citas por teléfono e Internet. Evitarle al ciudadano estas colas que son absolutamente inútiles y de pérdida de tiempo", señaló.

En otro momento, anunció que de 6 mil inscritos han sido seleccionados 100 gerentes públicos que entrarán en un entrenamiento muy intensivo en los próximos tres meses y van a estar a disposición de los gobiernos regionales para fortalecer su gestión. "Vamos a hacer una segunda convocatoria para otros cien", anotó.

"FARMACIAS POPULARES"
 
De Habich admitió que el "gasto de bolsillo" sigue siendo alto, y que una parte importante de ese desembolso es para la compra de medicamentos. En tal sentido, indicó que están evaluando la posibilidad de emular la exitosa experiencia brasileña de las "farmacias populares".

Detalló que se trata de asociaciones público privadas, donde las cadenas de boticas privadas en convenio con el Estado son proveedoras de los genéricos.

"Tienen una buena red de distribución y una buena logística, entonces la posibilidad de montarnos sobre ello, es una asociación público privada que estaríamos explorando en los próximos meses", sentenció.
(grifo nosso).


Añadió que está programada la reforma de la política remunerativa del personal de salud. "Hay avances importantes con cumplimientos de los acuerdos que tuvimos con diferentes gremios, se han constituido meses de trabajo y nos van a alcanzar sus recomendaciones", remarcó.

Finalmente, mencionó que el objetivo de la reforma es hacer una nueva escala salarial, pero además ligar ello a un mejor desempeño, y hacer más atractiva la carrera en el primer nivel de atención".
 
Imagem extraída de: http://elcomercio.pe/actualidad/1451979/noticia-ministra-salud-faltan-medicos-estan-mal-distribuidos

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Feliz ano novo!

Depois de um longo perído ausente, não poderia começar as postagens de 2013 se não fosse com uma desejando um ótimo ano novo aos meus 2 ou 3 leitores. Que em 2013 todos os seus sonhos se realizem e que vocês possam encerrá-lo dizendo: "Como foi bom esse ano. Melhor que o ano passado!".
O texto abaixo é do Farmacêutico e Poeta Carlos Drummon de Andrade. Recebi parte dele através da querida amiga Debora Melechi e não poderia deixar de compartilhar.
No mais, sejamos felizes e sigamos o bom caminho!

RECEITA DE ANO NOVO
 
 

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.


Extraído de: http://pensador.uol.com.br/frase/MTM0MDQ5/